terça-feira, março 22, 2005

Justiça lhe seja feita, ela até que nem é assim tão mazinha...

Ainda a propósito de Fátima Felgueiras, começo a achar que talvez a senhora não seja assim tão culpada. Afinal, tinha que haver alguma coisa que fizesse toda a população de Felgueiras acreditar piamente que ela não transgredira a lei. Pus-me a pensar e – não é que ela afirma terminantemente a sua inocência?! Como toda a gente sabe, a grande qualidade do vigarista é a sua católica honestidade. Caramba, se ela diz que não fez nada, é porque não fez mesmo...

sábado, março 19, 2005

Agora vou... Agora já não vou...

Fátima Felgueiras disse que vinha a Portugal porque só com a sua presença o seu julgamento teria sentido. Porém, depois de saber que, assim que pisasse solo nacional, seria imediatamente levada sob custódia, uma vez que a decisão de prisão preventiva se manteve, voltou atrás e disse que, para já, continuava no país irmão a apanhar banhos de sol e a mamar caipiroscas. Mas afinal o que vem a ser isto? Primeiro ela diz e depois desdiz? Que país é este em que alguém diz e depois diz que não e quando se vai a ver já disse outra vez? Mas que é isto? É que se assim é, qualquer dia, alguém diz que “isto é assim”, vem outro e diz “que não”, depois chega mais um e diz que “assim não mas de outra maneira talvez”. Então mas que raio é isto? Ela quer vir, mas depois já não quer vir; depois quer vir outra vez, mas quando dá por si, prefere já não vir; mais à frente, lembra-se que gostava imenso de vir, mas como está cansadita, decide não vir. E nós ficamos naquela: mas então como é? Já estamos a abusar, não? Sou só eu que acho que ela continua a troçar de tudo e todos? Qual será a próxima declaração? Será que vai chocar o país ao dizer, chorando em pleno directo, que está inocente? (Se bem que isto podia parecer um bocado repetitivo e perder um bocado da força que se desejaria.) Ou irá apresentar testemunhas tão credíveis como o Major Valentim Loureiro ou o Sapo Cocas? Eu até acho bonito e tal a cena de ela dizer que a sua presença era essencial para a seriedade do julgamento, mas alguém acredita que ela não diz isto a fazer figas e a conter uma gargalhada? Tenham lá paciência, mas era de actrizes assim que as novelas da TVI estavam a precisar. E não é que o pessoal de Felgueiras acredita mesmo que a mulher é uma santa! (Pronto, estes são também, provavelmente, aqueles que não acreditam que o Homem foi à Lua, ou que pensam que iogurtes com pedaços são ficção científica.) Mas também não admira. Ao que lhes foi comunicado, o problema era um tal de “saco azul”. Ora, é crime meter a mão num saco, ainda por cima azul? É óbvio que não. Como tal, e como ela até nem tem cara de quem é capaz de fazer mal a alguém, só pode ser inocente! Sim, porque a população de Felgueiras, além de dotada de uma inteligência superior à de maior parte dos seres humanos, tem também o simpático dom de saber reconhecer, recorrendo à percepção extra-sensorial com que foi prendada à nascença, a inocência ou a culpa de determinada pessoa. Eu até aposto que, perante gente tão inteligente, mesmo que ela confessasse que se estava nas tintas para o seu julgamento e que se estava nas tintas para Portugal e para os portugueses, continuava a ser inocente. E digo mais: se essa senhora voltasse a Portugal e trouxesse consigo outro dos insignes representantes no estrangeiro da competência do nosso sistema judicial, o Padre Frederico, eram ambos recebidos em Felgueiras em ombros. Tudo porque – e é isto que vale a pena reter – o povo usa e abusa de sabedoria; e, enquanto o povo souber tanto, jamais os verdadeiros criminosos terão vida fácil...

quinta-feira, março 17, 2005

Teoria da conspiração...

Mourinho!!! Muitos dizem dele que, deveria ser castigado e rsponsabilizado pelo abandono do árbito. Eu concordo com isso, e digo mais ele é o responsavél pelas catástrofes que se tem vindo a apoderar do nosso recatado pais... Vejamos quando ele foi para o Chelsea o que é que nos aconteceu por essa altura? O Santana veio para primeiro-ministro! Depois ele cimentou a sua inequívoca superioridade enquanto treinador, esmagando os seus rivais, levando-os a compreender o titulo da Premiere como nada mais que uma miragem, qual oásis no deserto árido. Ora o que é que nos aconteceu novamente aquando da concretização pontual do dominio de Mourinho e seus pupilos lá por terras anglo-saxónicas? A seca!! Nem mais nem menos!! E quem é mais uma vez o nefasto causador de tal tragédia, apenas comparavél á sofreguidão que seria ver jogar, actualmente, uma dupla de centrais do estilo Gamarra/Hugo, quem é? Pois claro! O sôr Zé!!!! Mais! O Santo Papa viu o seu estado de saúde agravar-se nos ultimos tempos, e quem mais tem contribuido para esse acentuar da doença com o seu discurso de guerra!!!??? Pois é!!! Voçês sabem do que eu estou a falar... E já agora depois de convidarem o Sôr Mourinho para aquela coisa entre Palestinos e Israelitas, voçês não se admirem que no futuro o recordem como a faísca que fez rebentar o barril de pólvora...

terça-feira, março 15, 2005

Destak do dia...

De certo que todos nós já fomos, pelo menos uma vez, intrepelados por essa nova praga do urbanismo, que são os distribuidores do simpático diario. Mas o que mais me chateia nem sequer é o facto de, quais individuos de nacionalidade nipónica, eles se difundirem a uma velocidade avassaladora. Não, nada disso. O que apenas me intriga é o seguinte: Qual é o processo mental a que estes pobres diabos são submetidos aquando dos primeiros passos neste " feroz mundo" (porque o é!) da informação diária. Para compreender melhor a minha dúvida, executem o seguinte exercicio: Passem cinco ou seis vezes seguidas por qualquer distribuidor, deste diário, e irão constatar que em todas as vezes, sem exepção, vos será oferecido o dito veículo de informação. Mesmo que debaixo do sovaco já exibam, de maneira nitida, o dobro dos jornais que o pobre peão desse maquievélico mundo do jornalismo possui. E o pior é que se por acaso nós recusarmos, apenas duas hipóteses se colocam: Ou somos fulmindaos com um daqueles olhares estilo " bonito, bonito era agora bateres com a tromba de frente com o nariz do Michael Jackson, e vazasses uma vista ", ou então com um olhar tipo cachorrinho abandonado " Por favor aceite, é que um amigo meu disse-me que tem um primo que ouviu um amigo dele dizer que se não vendesse tudo o Santana ia ser o novo presidente da junta de Fregusia onde moro! ". Eu acho que a barbare do recrutamento destes operários só encontra paralelo no mundo da prostituição de mulheres do leste. É explicíta a existência de crimes hediondos contra a humanidade( lavagem cerebral, torturas...) no meio deste mundo...
Por isso deixo aqui a minha compreensão e solidadariadade com esse povo que precisa desesperadamente do nosso auxílio...

quinta-feira, março 10, 2005

Abusos Sexuais

Bem, parece que a provedora da Casa Pia admitiu que ainda hoje existiam casos de abuso sexual. E para os mais cépticos deixem-me dizer que esta declaração está completamente justificada, e contextualizada com o nosso quotidiano... Todos os dias sou vítima de esse tipo de abusos... Começando por esse monstro da persuasão sexual, que é a Isabel Figueira! Pois é! E digo mais: essa mulher devia ser condenada a cumprir serviço comunitário a todos os homens deste país! E aí sim seria feita justiça, e este pequeno jardim à beira do mar seria um perfeito paraiso... Fica o aviso que, esperemos, não passe incólume aos olhos dos governantes deste país... Bem e daí se calhar até passa... Diogo?!?

domingo, março 06, 2005

Calamidade Pública

Ouvi dizer que ia ser declarada calamidade pública por causa de não chover. É mesmo verdade? Quer dizer, o Zézé Camarinha anda por aí à solta, ainda por cima sem o açaime, e isso não é caso para alarme, não é? Mas afinal, calamidade pública porquê? A produção agrícola diminuiu drasticamente? Não há comida? Isso realmente é grave, mas tem solução. O que eu vou sugerir pode parecer um bocado absurdo, até porque todos sabemos como nós damos valor às nossas coisas. Sei bem que isso é coisa que jamais passaria pela nossa cabeça numa situação normal, mas já que isto está tão complicado, que tal importarmos de Espanha, hein?

terça-feira, março 01, 2005

Ai a dissolução... a dissolução...

Queria aqui deixar um ar de espanto para com a realidade deste país. Ah! (Pronto, foi isto.) Então não é que eu chego hoje às bilheteiras do metro para validar o meu Lisboa Viva e estou quinze minutos na fila. E digo eu para mim: “Mas afinal isto está na mesma!” Um gajo que não soubesse, podia apostar que o Santana ainda estava no poder. Então mas afinal qual era o propósito das eleições antecipadas? Eu a pensar que agora é que isto tudo ia mudar, que as rotundas se começavam a fazer pela esquerda e que os dirigentes desportivos iam começar a ser eleitos pela sua seriedade, mas afinal não vejo nada. Outro dia, liguei a televisão – e que é que eu vejo? Anúncios no intervalo de um filme! (ou um filme no intervalo dos anúncios, como queiram) Mas, ainda? Que falta de criatividade! Então mas a maioria absoluta não serve para nada? Onde é que estão os haréns com suecas e a boa vida? Eu a pensar que de ora em diante era só facilidades e não é que noutro dia, numa tasquita aqui perto, depois de muito esperar, tive mesmo que pedir delicadamente um pratito de tremoços para acompanhar com a imperial? Quer dizer, o pessoal adere em massa às urnas e depois continua a ter que levar com uma sogra em casa? Está giro! Nem há um asilo para as pôr nem nada? Pelo menos, distribuíam uns açaimezitos à malta... Afinal, virou-se à esquerda ou ocorreu uma disseminação do célebre síndroma da função pública? É que ainda nem sequer se ouviu a mítica ladainha do “foi culpa do governo anterior!”. E com tudo isto, ainda há aqueles que nunca dão o braço a torcer e que se saem com coisas parvas do género:

- “Mas ele só foi indigitado há meia dúzia de dias!”

E o que eu pergunto é: alguma vez foi problema para um político tomar decisões sem pensar muito tempo nelas ou sem ter legitimidade para tal? Por exemplo, se fosse o Pinto da Costa, além de já ter assegurado a contratação de dois ou três políticos de renome internacional que estavam a um passo de assinar pelos partidos rivais, de já ter cortado relações com a oposição e de já ter posto o grupo de trabalho em blackout, já teria tido certamente ideias brilhantes como, por exemplo, a criação de um espaço cultural na televisão pública, a passar em horário nobre, dedicado à tortura de seres como... sei lá... a Manuela Moura Guedes... Será impressão minha ou um cachorro quente com mostarda tem mais ideias que um político? Já fazia falta era uma dissoluçãozita do governo, não?...